Parece que cada vez mais o Blender está ganhando mais adeptos. Um dos fatores que contribuem para isso (além da excelente qualidade do programa e do seu custo/beneficio) é a disponiblidade de materiais didáticos.

Este tipo de material serve como referência para quem está estudando Blender e de quebra ainda serve como material de divulgação do Blender.

Com este pensamento em mente, uma equipe de artistas de Minas Gerais resolveu começar um projeto de um curta-metragem feito com o Blender. O projeto é um open-movie, ou seja, será disponibilizado na internet junto com todo o seus arquivos, para ser estudado livremente.

O nome do projeto é Paper Orange, e tive a oportunidade de entrevistar a equipe que está trabalhando nele. Se você entende inglês não deixe também de conferir o site deles – http://detaillibrary.blogspot.com – Se você não entende dê uma olhada lá do mesmo jeito, os estudos disponíveis estão bem legais.

parte 01 da entrevistaparte 02 da entrevistaparte 03 da entrevista

ENTREVISTA 01 de 03 – Eduardo Damasceno:
De onde você é?
Eu sou de Formiga. Mas pode falar que todo mundo é de Belo Horizonte. “Ou então fala que a gente é de São Corisco. Isso, San Corisco. Capital nacional do apito a jato.” *

Como você começou a trabalhar com o Blender?
Eu ainda não trabalho com Blender. Mas o projeto (e o Windows Vista) foram incentivos monstruosos para que eu finalmente fizesse minha migração 100% gnu-linux. O Gimp é meu carro chefe e fico cada dia mais feliz com o programa e por saber que qualquer problema que eu encontre ou qualquer ferramenta que eu precise, tenho onde e com quem conversar e alguma coisa será feita, porque a organicidade, esse sentimento de sempre vivo e sempre e movimento do software livre é impressionante.

O que você pensa sobre as oportunidades para quem quer trabalhar com o Blender no mercado nacional?
Se for considerar o que nosso “Produtor-Executivo-Chefe-do-departamento de Tecnologia-co-diretor” fala do programa eu não vejo porque ainda usam outros softwares 3D.

Fale um pouco sobre o projeto:
The Detail Library ou Biblioteca de Pormenores é um projeto que une uma necessidade quase biológica dos envolvidos de produzir entretenimento com a possibilidade de aprender, ensinar e divulgar o software livre. Tínhamos pessoas extremamente interessadas em produzir animação e que eram também professores de uma forma ou de outra, então era interessante para todos não necessariamente “mostrar pro mundo” mas percebermos que era possível produzirmos animação, produzirmos entretenimento sem investimentos absurdos (na verdade sem nenhum investimento) e unir isso à vontade das pessoas de aprender e ensinar. Parece utópico falando desse jeito, mas a grande diferença desse projeto para outros empreendimentos suicida-românticos é justamente a ênfase no processo. Não é “Uma batalha épica contra o sistema para provar que é possível produzir entretenimento inteligente desvinculado das grandes coorporações.” Estamos nos divertindo, e aprendendo no processo, é isso.

Os envolvidos estão aprendendo e ensinando o tempo todo, e se tornando artistas melhores, mais competentes e se considerarmos do ponto de vista da utilização de software… mais livres. Está sendo criada uma entidade, uma comunidade – Biblioteca de Pormenores -, que vai se desfazer uma vez que o filme estiver pronto e distribuído, mas as pessoas serão profissionais melhores no fim disso, e não tenho dúvida de que o próximo projeto, mesmo que seja com a mesma equipe, terá outro espírito, porque se há uma coisa que me mantém viciado em produzir o que for preciso para o filme, é o desafio que nos impomos constantemente de DESCOBRIR como resolver o que for preciso para atingirmos o que queremos. Só assim exigimos de nós mesmos e impomos nossas vontades aos softwares, sem nos tornarmos dependentes, deslumbrados ou idólatras deles.

Quais são seus próximos projetos?
Não faço a menor idéia…. parei de fazer planos tem mais ou menos um ano. Mas considerando as probabilidades, deve ser outro curta metragem animado, com grandes chances de ser ambientado aqui mesmo em San Corisco.

Você sugere algum caminho específico para quem está querendo trabalhar com 3D e/ou animação?
Se parece divertido, e você só percebe o tanto que foi difícil depois, então provavelmente é por aí.

Você tem alguma mensagem para quem está começando no Blender?
Parabéns… Eu ainda não comecei, então vocês já estão muito na minha frente.
Tem mais alguma pergunta que você gostaria de responder e eu não tive a criatividade de perguntar?
Acredito que não… mas eu ainda fico me perguntando como que tanta gente entrou nessa furada!? Parece mágica. E eu fico muito feliz de estar aqui agora, no meio disso tudo.

Eduardo Damasceno
“Co-diretor-co-roteirista-diretor-de-arte-chefe-do-departamento-de-conceito-curte-um-café”


Paper test from detail library on Vimeo.

Em breve a segunda e a terceira parte da entrevista.
Abraços,

Dalai

parte 01 da entrevistaparte 02 da entrevistaparte 03 da entrevista

Faz tempo que não falo sobre Blender por aqui, acho que estava esperando uma boa oportunidade.

Bom, hoje de manhã, enquanto comia meu Froot Loops, resolvi checar meu e-mail. Claro que eu não resisti e dei uma passada no BlenderNation.

Fiquei chocado com o que eu vi – um projeto sendo desenvolvido na UBC usando o Blender e com oferta de estágio para o verão (inverno brasileiro).

Para entender a minha alegria, a University of British Columbia fica a 30 minutos de ônibus de onde estou morando.

AI CARAMBA !!!

Perdi a hora da aula imaginando que esta pode ser a oportunidade que eu estava procurando.

Eu já tinha tentado entrar em contato com a equipe do VGA Studio – um estúdio canadense que ministra cursos e utiliza o Blender para desenvolver trabalhos de animação e visualização arquitetônica. Infelizmente eles estão muito ocupados trabalhando nos efeitos especiais de um filme. Como este projeto é sigiloso ainda não pude conhecer o estúdio, e eles não estão aceitando estagiários por um tempo.

Bola pra frente, estava procurando algum estágio relacionado à animação, mas acho que este projeto da UBC é mais interessante e pode abrir mais portas no futuro.

Então deixa eu traduzir a chamada do BlenderNation:

O Great Nothern Way Campus em Vancouver B.C., Canadá, tem trabalhado com o Blender e sua GameEngine para produzir a visualização de dados científicos relativos à política de pesca e a dinâmica da população marinha.

Além disso eles estão buscando estagiários para trabalhar com o Blender neste verão.

Dêem uma conferida no trabalho deles:

Eu achei o máximo e já mandei um e-mail pedindo mais informações e enviando meu portfolio e currículo para apreciação. Eles pedem conhecimentos em Blender, Blender GameEngine e Python.

Meus conhecimentos de Game Engine e Python são mais artísticos do que técnicos – eu sei os recursos e as limitações, mas não tenho total autonomia para desenvolver a programação de um sistema inteiro destes – mesmo assim não custa tentar contribuir em outras partes do projeto. Agora é esperar e torcer para que dê tudo certo, assim que tiver novidades eu mando notícias por aqui.

O que eu achei mais interessante deste projeto, é que ele mostra uma possibilidade ainda pouco explorada para quem trabalha com 3D que é trabalhar junto com equipes de pesquisa em diferentes áres da ciência.

Por falar nisso, há pouco tempo atrás o Allan Brito, escreveu um artigo bem interessante sobre o tema com algumas animações bem interessantes, que vale conferir:
http://www.allanbrito.com/2008/03/10/animacoes-para-area-de-saude-um-mercado-ainda-inexplorado-em-cg

Abraços,
Dalai

Espero que o texto tenha saido direito, eu acho que estou enferrujando para escrever em português.